BUMBA-MEU-BOI


"O meu boi morreu
O que será de mim?
Manda comprar outro, ó maninha
Lá no Piauí"

O Bumba Meu Boi é tido como uma das mais ricas representações do folclore brasileiro.

No Brasil, este folguedo teve origem no ciclo econômico do gado, sendo produto da tríplice miscigenação, com influências do escravo (negro), do índio e do português (branco). O enredo deste folguedo apresenta uma série de variantes. Uma delas é narrada como fato acontecido: Caterina ou Catirina, mulher do escravo Pai Francisco, solicita que lhe tragam uma língua de boi, para satisfazer seu desejo de grávida. Pai Francisco, para atender os anseios de sua mulher, rouba um boi de seu patrão, e assim que inicia a matança, é descoberto. Sendo aquele o boi predileto do patrão, toda a fazenda se mobiliza para ressuscitar o animal.

Entram em cena, Pai Francisco, Pajés e Caboclos de pena, que coreograficamente se movimentam no ritmo dos instrumentos musicais, encerram a primeira parte da representação. Entre os vários grupos de bois do Maranhão três se destacam pelo estilo que apresentam:

  • Boi-de-matraca: Distingue-se pela matracas (instrumentos de madeira, com uma ou mais tábuas, que se deslocam, percutindo a própria prancha onde estão presas). Apresenta também como instrumentos pandeiros, maracás e os de percussão.
  • Boi-de-orquestra: É composta por uma "orquestra" em que se destacam os instrumentos de corda, sopro (clarinetas e flautas), bombo, tambor – onça e maracás.
  • Boi-de-zabumba: com tambores de zabumba, maracás e pandeirinhos.

Os três grupos citados acima são reconhecidos como estilos, e também são reconhecidos a distância por seu ritmo e melodia. Há muitos grupos de estilo reconhecidos em São Luís do Maranhão com suas características particulares.

Esse fenômeno folclórico típico do Maranhão tem diferentes denominações espalhando-se por várias partes do Brasil, sendo conhecido em cada lugar de uma maneira:

  • Amazonas: Boi-bumbá
  • Maranhão, Piauí, Ceará: Boi-de-Reis ;
  • Rio Grande do Norte: Boi-calemba, Rei-de-boi;
  • Rio de Janeiro e São Paulo: Boizinho;
  • Paraíba e Pernambuco: Bumba, Cavalo-Marinho ;
  • Espírito Santo: Bumba-de-Reis ;
  • Rio de Janeiro: Folguedo-do-boi, Reis-de-Bois;
  • Alagoas: Três Pedaços ;
  • Ceará: Reisado Cearense, Surubi.

No Amazonas destacam-se os grupos: Caprichoso (azul) e Garantido (vermelho) que disputam no Bumbódromo quem faz a melhor representação do folclore.

O boi é a principal figura da representação. Ele é feito de uma estrutura de madeira em forma de touro, coberta por um tecido bordado ou pintado. Nessa estrutura, prende-se uma saia colorida, para esconder a pessoa que fica dentro, que é chamada de "miolo do boi". Às vezes, há também as burrinhas, feitas de maneira semelhante ao boi, porém menores, e que ficam penduradas por tiras, como suspensórios, nos ombros dos brincantes.

BOI DE SUCATABoi

Material Necessário:

  • Cola Branca
  • Rolo de papel higiênico
  • Copinho de Danoninho
  • Fitas coloridas
  • Papeis coloridos (cartão preto e maleável da cor de preferência )
  • Pincel
  • Lantejoulas e paetês
  • Olhinhos
  • Palitos de sorvete
  • Tesoura

Observe as figuras para montar o boi:

  • Pegue os palitos de sorvete e quebre no meio. Em seguida cole os palitos no rolo de papel higiênico para formar as patas do boi.
  •   Recorte o pote de Danoninho para obter o formato da cabeça do boi. Note que a parte debaixo é arredondada.
  • Cole lantejoulas escuras para criar o focinho do boi.
  • Cole os olhos nas laterais da cabeça.
  • Desenhe chifres em papel cartão preto e cole-os atras das orelhas do boi.
  • Recorte um pedaço de papel colorido (maleável) no tamanho de 15 cm x 10 cm para criar a capa do boi.
  • Decore a capa com lantejoulas, paetês e fitas.

Depois de prontos os bois é só brincar, cantar e dançar com as crianças!

Sugestões de Músicas:

  • Boi Barroso – Elis Regina
  • Vermelho (Chico da Silva) – Fafá de Belém
  • Tic Tic Tac – Carrapicho
  • Boi Bumbá (Waldemar Henrique) – José Tobias
  • Boi do Amazonas (recolhido por Walter Santos) – Papete
  • Bumba Meu Queixada – Teatro União e Olho Vivo
  • Entrada do Boi Misterioso – Quinteto Violado e Zélia Barbosa
  • Gado Bom Quem Tem Sou Eu (toada de vaquejada) – Otacílio Batista
  • Boi de Mamão (entrada de boi, Bermúncia e Maricota) – Boi de Mamão de Itacorobi (SC)
  • A Burrinha – Quinteto Violado

“O folclore é universal e tradicional em seus temas e motivos, que devem ser considerados invariantes. É regional e atualizado na ocorrência das variantes, que são o resultado da criatividade do portador do folclore e de sua comunidade.”

Materiais de apoio - adquira o seu!

Paty FontePaty Fonte (Patricia Lopes da Fonte)

Educadora especialista em pedagogia de projetos, escritora, autora do livro “Projetos Pedagógicos Dinâmicos: a paixão de educar e o desafio de inovar”, publicado pela editora wak; autora e tutora de cursos presenciais e on-line de educação continuada a docentes, coach, palestrante.

Idealizadora e diretora dos sites:
www.projetospedagogicosdinamicos.com e www.cursosppd.com.br

Twitter: @PatyFonte Blog: www.paixaodeeducar2.blogspot.com

blog comments powered by Disqus