A importância da arte no processo ensino - aprendizagem


Resumo : o presente artigo relata um breve histórico sobre a arte terapia , bem como seu emprego em sala de aula a fim de superar as dificuldades de leitura e escrita.

Um breve histórico

ArteO termo Arte-Terapia surge pela primeira vez em 1945 no primeiro livro publicado por Adrian Hill, Art vs Illness (Arte versus Doença). Adrian Hill, artista inglês, esteve internado num sanatório para tratar uma tuberculose. Durante o longo período de evolução da sua doença e reabilitação, numa época em que os recursos para a combater eram escassos, ele passou o tempo a pintar. Os médicos que o assistiam puderam observar uma aceleração na sua recuperação e um estado geral de bem estar manifesto. Após o seu restabelecimento, eles convidaram-no a regressar para fazer pintura com os pacientes do sanatório. Desde esses acontecimentos a Arte-Terapia evoluiu significativamente, tanto do ponto de vista dos modelos que a caracterizam, das formações existentes, como dos países em que é reconhecida. Basta dizer que a Arte-Terapia é um dos meios terapêuticos reconhecido e subvencionado pelo sistema de saúde britânico. Ela é, a título de exemplo, uma valência terapêutica reconhecida pela Associação Internacional para o Tratamento da Esquizofrenia.

O interesse despertado pela relação entre arte e terapia já vem de longe e são inúmeros os precursores que se podem encontrar ao longo dos tempos. Tanto a psiquiatria do Séc. XIX como a psicanálise do Séc. XX ficaram fascinadas com a recolha de sinais e símbolos, independentemente de estes serem a manifestação de sintomas de quadros clínicos ou a representação - segundo uma grelha fundamentada na interpretação - de complexos descritos por Freud.

Muitos manifestaram interesse na arte como veículo de expressão psicopatológica ou não, como Charcot, Freud, Morgenthaler, Prinzhorn, Jung e outros. Aquilo que caracteriza a Arte-Terapia é proveniente de 3 correntes:

· a teórico-prática, como expressão artística e material de diagnóstico, semiológico e de prognóstico,

· a pragmática, considerando a arte como instrumento terapêutico, mesmo reduzindo-se à ocupação e distração do doente,

· a estética, emergindo do Surrealismo e da Arte-Bruta, como descoberta quase etnográfica de criadores considerados "fora das normas".

A experiência artística pode intensificar qualquer experiência humana e incrementar a consciencialização do sensorial e a sensibilidade estética. No contexto da Arte-Terapia, a facilitação de tal tomada de consciência pode ser importante para promover a riqueza interior, a vitalidade e a qualidade de vida. Esta experiência tem um papel importante na mobilização das pulsões reprimidas e assim facilita uma vida psicológica mais livre. Imagens de transformação e mudança, representadas nas criações artísticas, dão expressão à função reparadora no decurso do processo terapêutico.

Em Arte-Terapia existem diversos níveis de intervenção, como por exemplo:

1. Arte-Terapia Integrativa: neste nível de intervenção, centrado no "aqui e agora" de uma sessão, é proposto o acesso integrativo aos vários mediadores de expressão, através de propostas orientadoras (intervenção semi-diretiva). É assim facilitado o auto-conhecimento, o desenvolvimento pessoal e a inter-relação com os outros (caso seja no âmbito de uma intervenção grupal), através das artes plásticas, de jogos, da expressão corporal e dramática, de fantoches, da música, da escrita livre, etc...

2. Arte-Psicoterapia Analítica(individual ou em grupo): exige do arte-psicoterapeuta uma postura analítica e um eficaz manejo das teorias psicanalítica e grupanalítica. É uma abordagem essencialmente elaborativa, que também é designada com Psicoterapia Analítica Mediada.

A Associação Americana de Arte-Terapeutas (A.A.T.A), define-a como uma profissão de carácter humanístico em que a utilização de mediadores de expressão artística reflecte o processo criativo e as respostas do paciente/cliente face à sua produção de arte, como espelho de um desenvolvimento pessoal, das aptidões, da personalidade, de interesses, de preocupações e conflitos. A Arte-Terapia baseia-se no conhecimento do desenvolvimento humano e nas teorias da psicologia que são implementadas num amplo espectro de modelos de avaliação e tratamento como o modelo educacional, o modelo psicodinâmico, o modelo cognitivo, o modelo transpessoal e outros meios terapêuticos. Esses modelos procuram reconciliar conflitos emocionais, fomentando um maior conhecimento de si, o desenvolvimento de aptidões sociais, a gestão de comportamentos, a resolução de problemas, a redução de ansiedades e o incremento da auto-estima. Ainda segundo a A.A.T.A., a Arte-Terapia constitui um tratamento efetivo em casos de problemáticas de desenvolvimento pessoal, de saúde, de aprendizagem, sociais e psicológicas e é praticada em instituições de saúde mental, de reabilitação, hospitais, escolares.

Para a Associação Nacional Australiana de Arte-Terapia (A.N.A.T.A.) a Arte-Terapia como forma de psicoterapia, é uma prática interdisciplinar praticada através da saúde e da medicina, utilizando várias formas de artes visuais como o desenho, a pintura, a escultura e a colagem. Alguns terapeutas usam fotografia e a técnica dos tabuleiros de areia. Geralmente baseia-se em princípios psicanalíticos ou psicodinâmicos, mas os terapeutas são livres de usar bases teóricas em que se sintam mais à vontade. A Arte-Terapia é um meio terapêutico e de diagnóstico em que terapeuta e paciente desenvolvem uma relação inter-pessoal dinâmica, com limites e objetivos específicos. Difere da arte tradicional no sentido em que é enfatizado o processo criativo em detrimento do resultado final. A Arte-Terapia é um processo criativo, para todas as idades e em particular para todos aqueles que se confrontam ou confrontaram com profundas alterações nas suas vidas, quer seja de ordem pessoal ou de auto imagem.

O USO NO CONTEXTO ESCOLAR

A arte é, entre todas as atividades, a que agrega de modo mais eficiente os aspectos racionais e criativos do ser humano.

Ao desenvolver uma atividade artística, o sujeito não só estará interferindo na realidade, como também estará estruturando-se de forma mais adequada, saudável e eficiente.

Através das diversas manifestações artísticas, as pessoas podem se expressar de uma forma própria e singular e superar as mais diversas barreiras da comunicação.

Utilizando-se de todas as expressões artísticas e com recursos simples e muito eficientes a arte terapia favorece o desenvolvimento e à superação de limitações pessoais, buscando-se assim o aumento do repertório de habilidades, a melhor estruturação da personalidade, o aumento do horizonte de interesses, a composição de novos objetivos e a melhor habilidade em lidar com os seus próprios conflitos.

Muitas instituições voltadas para a inclusão social utilizam a arte, como importante meio educacional. . Onde outras metodologias falharam a arte alcançou resultados significativos, principalmente ao atrair espontaneamente meninos e meninas para outras atividades educativas e sociais.

“As muralhas estéticas definiam o território fechado de uma certa forma de ócio elegante. Mas esse lazer ocioso, essa utilização do tempo livre, não foram dados a todos por igual dentro da sociedade: constituíram-se em privilégio das classes sociais favorecidas, que foram também as classes sociais dominantes. (Porcher, 1982, p. 13)

A educação escolar deve assumir, através do ensino e da aprendizagem do conhecimento acumulado pela humanidade, a responsabilidade de dar ao educando o instrumento para que ele exerça uma cidadania mais consciente, crítica e participante. (Ferraz e Fusari, 1993, p. 33 e 34).

Através de projeto educativo integrando todas as disciplinas é possível junto com o professor de artes trabalhar de forma significativa com o objetivo de atrair alunos para que possam desenvolver a aprendizagem,. e recuperar sua auto imagem . Atividades simples tais como a hora do conto, desenhos, interpretação oral e escrita , dramatização dos personagens ou seja através de arte terapia interativa.

Um exemplo deste trabalho foi desenvolvido em uma escola da rede municipal com crianças de 4ª serie. A atividade teve com objetivo resgatar auto-imagem de alunos com dificuldades de leitura e escrita par tanto a professora utilizou -se da hora do conto , tão importante para o desenvolvimento do psiquismo infantil; onde o aluno é autor e co-autor do conto.

Enquanto co-autor um narrador de um lado, e de outro lado o autor contador de historia, e de outro lado o ouvinte, deu-se importância para oralidade. Em seguida para rescrita do conto e leitura desta produção. Num terceiro momento a representação desse personagem e seu significado para o aluno quer seja através de desenho, musica, fantoches, e/ou a dramatização. O educador deve estar atento “saber olhar para saber escutar” para que possa observar o comportamento dos alunos frente a cada passo resgatando sua auto-imagem e de fato favorecendo o aprendizado assim com Adrian Hills alcançou seu crescimento é possível com sensibilidade e com arte para a arte atingir o que desejamos: formação de sujeitos autônomos.

Bibliografia:

  • Barbosa, Ana Mae. Arte-Educação – Leitura no subsolo. São Paulo . Cortez Editora, 1997.
  • BROWN, Daniel. Fundamentos de Arte-terapia – coleção Fundamentos. São Paulo: Vitória Régia, 2000.
  • DUARTE JR., João FranciscoPorque Arte-Educação?. Campinas: Papirus, 1996.
  • EDWARDS, Betty. Desenhando com o lado direito do Cérebro. Rio de Janeiro: Ediouro, 1984.
  • JARREU, Gladys Teoria e técnica da Arte-terapia – a compreensão do sujeito. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.
  • READ, Herbert.O sentido da Arte. São Paulo, IBRASA, 1978.
  • TOLSTÓI, Leon. O que é Arte?. São Paulo: Ediouro.

 

 

blog comments powered by Disqus